Primeira Leva – A Brassagem da Pale Ale

Comprei o equipamento e estava todo empolgado pra fazer minha primeira brassagem, que é o dia da produção da cerveja. Junto com o kit que comprei pela internet já pedi um kit de matéria-prima e o que me indicaram fazer, pela facilidade para iniciantes, foi uma cerveja Pale Ale.

Pela ansiedade resolvi fazer num fogão comum, mesmo depois de ler e reler várias indicações de que não seria adequado, então montei o equipamento na cozinha de casa mesmo.

Antes de tudo foi necessário sanitizar bem o equipamento e tudo o que seria utilizado pois o risco de contaminação da cerveja é muito alto. Fervi água e passei em todas as panelas, magueiras, etc, antes de começar.

Equipamento montado na cozinha da minha casa.

Como haviam me dito que precisaria de ajuda chamei meu primo Igor pro trabalho. Seguindo orientações de cervejeiros mais experientes anotei um passo-a-passo num caderno, enumerando cada coisa que teria que fazer pra não esquecer de nada (isso foi importantíssimo no final!).

Testei o equipamento só com água pra ver se o sistema estaria funcionando e estava tudo ok, então demos início à produção, ou seja, começamos a minha primeira brassagem.

Usando o termômetro tinha que ficar medindo em cerca de 10 em 10 minutos a temperatura do mosto que estava na panela de baixo. Durante as brassagens devemos seguir alguns intervalos de temperaturas (chamados de rampas) pra cerveja ficar pronta.

A circulação do mosto demorou mais do que o previsto pois a temperatura que deveríamos alcançar demorou a chegar (por causa do uso do fogão comum!).

Durante a circulação uma das mangueiras soltou-se e parte do mosto caiu no chão da cozinha, fazendo uma baita sujeira!

Terminada a circulação do mosto tiramos toda a água da panela de cima e reservamos num dos baldes plásticos (fermentador). Retiramos o chiller (serpentina) de dentro da panela de cima e ligando a bomba passamos todo o mosto pra lá.

Agora teríamos que ferver o mosto durante 1 hora e foi isso o que fizemos, mas pelo uso do fogão comum a fervura não foi intensa como deveria, o que prejudicou o resultado.

Terminada a fervura fizemos o resfriamento rápido do mosto usando o processo indicado pelo fabricante do equipamento. Pra isso colocamos a serpentina novamente dentro da panela de cima, agora por dentro da serpentina passou água que vinha da torneira e por fora estava o mosto. Essa circulação de água permitiu a troca de calor, ou seja, resfriou o mosto rapidamente.

Quando terminamos eu não estava satisfeito pois essa forma de resfriamento ocasionou um desperdício de água imenso, mesmo eu tendo reservado mais de 80% da água utilizada!

Feito isso nós hidratamos a levedura (que é um fermento especial pra produção de cerveja) colocando-a num recipiente com água entre 30 e 35ºC e misturando. Desta forma a levedura “acorda” e fica pronta pro desafio de transformar o açúcar do mosto em álcool e gás carbônico.

Passamos o mosto pro fermentador e inoculamos a levedura, depois foi só fechar bem o fermentador e aguardar por 20 dias pra provar a cerveja.

Esse post foi publicado em 1 - Primeira Leva: Pale Ale, Minhas Cervejas e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Primeira Leva – A Brassagem da Pale Ale

  1. Pingback: Segunda Leva – A Brassagem | Cervejas Artesanais Senhora Birra

Os comentários estão encerrados.