Sexta Leva – A Brassagem da “Nostra”

Mais uma brassagem com pouco tempo de idealização e planejamento mas dessa vez não foi isso o que me atrapalhou.

Comprei os ingredientes e comecei a preparar tudo por volta de 4 horas da tarde. Montei o equipamento, liguei um sonzinho e comecei mais uma brassagem solitária, eu e meu cachorro Barril fomos o autor e a testemunha do crime.

Veja o Barril alí no fundo, figurante da cena.

Liguei o fogo e comecei o trabalho, que foi tranquilo até a temperatura da água alcançar os 49ºC, quando desliguei o fogo e coloquei o malte na panela cervejeira de mostura. Esperei decantar o malte por cerca de 20 minutos e acendi o fogo novamente, agora a temperatura deveria subir até 62ºC.

Pra minha surpresa, já que tudo estava indo vem até este momento, quando vejo a água da panela de baixo, que é onde coloco o malte, estava transbordando da panela. Desliguei o fogo e resolvi mexer o malte de forma que ele se assentasse novamente, daí quando fui medir a temperatura já estava em cerca de 75ºC!

Nas outras brassagens que fiz todo o controle de temperatura foi fácil (com exceção da 5ª leva, a Dubbel), nessa eu não sei o que aconteceu. Eu sempre deixei o termômetro dentro da panela de mostura e fui acompanhando a temperatura e controlando ela ligando e desligando o fogo, dessa vez parece que o malte inchou e a temperatura subiu muito de uma hora pra outra.

Mosto durante fervura.

Estava programado pra ficar em 62ºC durante meia hora e depois subir pra 72ºC e manter por meia hora também, mas como a temperatura subiu muito rápido o que fiz foi deixar o mosto recirculando sem passar pela serpentina de banho-maria, então a temperatura foi baixando de 75ºC até chegar em 62ºC em 1 hora.

Feito isso passei o mosto pra panela de fervura e depois foi tudo bem mais tranquilo.

A densidade inicial do mosto ficou em 1060, que era o esperado pelos cálculos do Beer Smith, veja abaixo:

Características da cerveja seguindo a receita que fiz.

Essa foi a primeira brassagem em que tive problemas com o fermento. Usei o Nottingham e  já no starter que fiz achei meio esquisito, no dia seguinte fui ver e não havia nenhum sinal de fermentação ao olhar pro air-lock.

Resolvi então colocar mais 1 pacote de fermento, dessa vez um do S-04, imediatamente começou a produzir gás. Não sei no que isso pode afetar o resultado da minha cerveja, é esperar (e rezar!) pra ver.

Esse post foi publicado em 6 - Sexta Leva: Senhora Birra "Nostra", Minhas Cervejas e marcado , . Guardar link permanente.