Sétima Leva – A Brassagem

Brassagem bem planejada é outra coisa. Desde semana passada resolvi que faria cerveja hoje, isso facilita muito as coisas.

Comprei os insumos na sexta-feira e no sábado preparei os equipamentos, deixei tudo montado e pronto pra começar a produção. Dessa vez minha falha foi não verificar se tinha bujão de gás cheio, mas liguei na Ultragás e pedi um bujão, mesmo sendo domingo 8h30 da manhã demorou mas entregaram por volta de 10h.

Da esq. pra dir.: maltes moídos e misturados, saquinhos com lúpulos, saquinho de levedura (o azul) e anotações.

O tempo de espera do gás permitiu ajeitar um pouco mais as coisas. Comecei a brassar por volta das 10h50, quando liguei o fogo e a bomba de circulação e esperei a água chegar a 49ºC, o que ocorreu às 11h05.

Despejei o malte na água e aguardei 20 minutos para ele decantar na panela, isso aconteceu às 11h30. Medi a temperatura da água que havia caído para 45ºC.

Depois disso subi 1ºC por minuto até atingir 68ºC, temperatura que mantive por 1 hora. Depois subi para 78ºC e mantive por 5 minutos para desativar as enzimas do malte.

Foi a primeira vez que fiz brassagem usando apenas 1 temperatura, achei muito mais fácil.

Às 14h comecei a fervura, que durou 1 hora exata e sem problemas. Comparando com as últimas brassagens que fiz aprendi que não adianta ter pressa e colocar o fogo muito alto quando preciso subir a temperatura, pois se faço assim acabo perdendo o controle.

Como atrasei pra começar a brassagem enquanto esperava o gás montei a TV e deixei preparada pra assitir ao jogo do Verdão, então acabei assistindo pelo menos uns 3 jogos enquanto produzia, o que foi um baita passa-tempo.

Olho no lance...

Fiz o resfriamento do mosto em uma hora e vinte e cinco minutos, demorou bastante, já fiz em menos tempo.

Já tinha hidratado o fermento, então joguei no fundo do balde fermentador e depois despejei o mosto sobre ele.

A brassagem de hoje teve bastante ajuda e companhia da minha esposa Elaine, principalmente na hora de desmontar e lavar as coisas, além da presença ilustre do meu cachorro Barril, da raça Brewdog Belga.

O mosto ficou com gravidade original de 1042 e cor acobreada, mais escura.

Depois de tudo o merecido descanço do guerreiro!

 

Esse post foi publicado em 7 - Sétima Leva: Cameriere à Moda do Chef, Minhas Cervejas e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para Sétima Leva – A Brassagem

  1. Ai sim cara! Mas qual o estilo que você fez afinal? Só falou a OG hehe

    E uma coisa muito fato, vou tentar fazer isso na 3ª brassagem, não subir o fogo tão alto para não perder o controle. Pelo mais que demore, melhor controlar tudo.

    Abraço

Os comentários estão encerrados.