Oitava Leva – A Brassagem da Blonde Ale

Já tinha planejado a brassagem de hoje, ontem separei e montei todo o equipamento e deixei toda a matéria-prima em ordem.

Lúpulo (verde), whirfloc (pastilhas) e anotações.

Aqueci a água a 45ºC e coloquei o malte, esperei decantar por 15 minutos.

Ambiente preparado pra brassagem no meu boteco em casa.

Fiz 3 rampas de temperatura que foram 50ºC, 60ºC e 70ºC, mantendo 30 minutos em cada uma delas. Depois subi para 78ºC e mantive por 10 minutos para desativar as enzimas do malte. Isso demorou das  11h30 até às 13h55.

Transferi o primeiro mosto pra outra panela com ajuda da bomba. Quando fui começar a lavagem dos grãos comecei a ter problemas. Liguei a bomba e vi que junto com o mosto estava passando grãos, então vi que tinha coisa errada.

Tive que passar os grãos da panela pra um balde fermentador e pude ver no fundo da panela que a bazuka estava sem uma tampa que fica na ponta do cano, ou seja, não estava filtrando mais nada.

Minha única opção, já que não achei a tampa de jeito nenhum, foi filtrar o mosto com uma peneira de cozinha mesmo.

Coando o mosto com uma peneira de cozinha, maldita bazuka!

Demorei muito e fiz muita bagunça pra filtrar tudo, muita coisa errada, mão no mosto e muita coisa sem higienizar direito, mas como ainda iria ferver o mosto resolvi continuar assim mesmo.

A panela de fervura ficou cheia e o cheiro do mosto estava bem doce, tanto é que apareceram algumas abelhas pra me fazer companhia.

Segui a fervura conforme o planejado, adicionando 27g de lúpulo Cascade aos 60´ e 30´, uma pastilha de whirfloc (que serve pra aglutinar os sedimentos do mosto) 15´ antes do final da fervura e mais 20g de Cascade com a fervura já terminada, antes de fazer o whirpool.

Como achei que a “vaca já tinha ido pro brejo” mesmo coloquei 20g de hortelã em folha faltando 15 minutos pro final da fervura, veja na foto.

Vinte gramas de hortelã em folha durante a fervura.

O resfriamento do mosto demorou demais, isso por que além de fazer o que fiz nas outras brassagem ainda coloquei a panela com mosto dentro de uma bacia com gelo e água.

Ao final transferi o mosto pro fermentador e vi que havia muito sedimento, mesmo usando o whirfloc foi o mosto mais “sujo” que eu passei pro balde, não sei quais as consequências disso.

Enfim, a tarde fria e nublada em São Paulo foi bacana, só espero que a cerveja fique boa!

Esse post foi publicado em 8 - Oitava Leva: Blonde Ale, Minhas Cervejas e marcado , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Oitava Leva – A Brassagem da Blonde Ale

  1. Emilio disse:

    heheh.. as vezes o errado dá certo. Vamos ver o resultado disso. Gostei da idéia da hortelã. Já tinha pensado nisso, mas nunca fiz.

    • senhorabirra disse:

      Emilio, obrigado pelo comentário. Pelo menos o cheiro quando abro a geladeira onde a cerveja está fermentando está sensacional!

  2. E aí, qual foi o resultado???? Eu tive a mesma ideia que vc de colocar hortela… o cheiro esta HORRIVEL após 7 dias de fermentaçao. Vou jogar td fora. Me conta ai como ficou a sua.

Os comentários estão encerrados.